Escândalos que não tem fim – Renan e Vargas cobraram propina de doleiro para beneficiá-lo em contratos

1456

Editorial do ‘O GLOBO’ de hoje destaca depoimento colhido pela PF da contadora do doleiro Alberto Youssef, preso na Operação Lava Jato, por suspeita de lavagem de dinheiro de R$ 10 bilhões.

Depoimento colhido pela Polícia Federal na investigação da Operação Lava-Jato indica que parlamentares do PT e do PMDB negociaram com o doleiro Alberto Youssef para que ele fechasse negócios com os fundos de pensão dos Correios, o Postalis, e da Caixa Econômica Federal, o Funcef. Em troca de apoio político para o fechamento do negócio com os fundos, haveria uma partilha de comissões com integrantes dos dois partidos ( PAGAMENTO DE PROPINA). O negócio só não se concretizou porque o doleiro foi preso.

Segundo a depoente, o acordo renderia um lucro de 10% , cerca de R$ 10 milhões aos “corretores” do negócio. Esses corretores seriam os intermediários que fariam chegar o dinheiro aos partidos. Mas não está claro qual o percentual dos R$ 50 milhões que seria destinado aos políticos. Youssef foi preso no dia 17 de março, no Maranhão, e a transação não se efetivou.

Segundo o relato de uma das pessoas que está participando das investigações da Operação Lava-Jato, Youssef estava precisando de muito dinheiro e tentou convencer o Postalis e o Funcef a investirem R$ 50 milhões em ações em uma de suas empresas, a Marsans Brasil.

Veja também:
Escândalos que não acabam. Nepotismo na Petrobras pode ter movimentado R$ 700 milhões
Dilma defende Graça Foster de escândalos da Petrobras e ordena que ministros também a defendam
Paródia de “Beijinho no Ombro” satirizando escândalos do governo petista faz sucesso na internet
Ministro de Dilma citado no escândalo do Petrolão diz que não sabe de nada e tira férias

Diante da resistência de dirigentes dos fundos vinculados ao PMDB, Youssef teria procurado apoio de Renan na noite de 12 de março. Dois dias depois, num café da manhã, em São Paulo, ele comemorou com Meire Poza a futura entrada do dinheiro que poderia aliviar parte dos problemas financeiros da Marsans. “Ele (Youssef) me disse que esteve com o Renan para ajustar a parte do Postalis, que tinha conseguido os R$ 50 milhões em debêntures para a Marsans”, relatou a contadora a policiais.

Pelo suposto acerto, o Postalis faria um aporte de R$ 25 milhões, e a outra parte, de igual valor, caberia ao Funcef.

A contadora disse à Polícia Federal que o doleiro pagaria comissão de 10% do valor do aporte para os corretores credenciados para esse tipo de transação. O valor é bem superior às cifras pagas pelo mercado nesses tipos de transação que, segundo ela, ficam em torno de 3%. A suspeita levantada é que parte do dinheiro seria destinado a campanhas eleitorais.

Da escola de Lula – Renan e Vargas negam tudo

A redação do GLOBO disse ter procurado os parlamentares.

A resposta de André Vargas foi — Não conheço ninguém no Postalis. Nunca estive lá e nem sei onde fica. Ele (Youssef) nunca tratou desse assunto comigo. Isso é lorota

Renan Calheiros, através de sua acessoria, negou que tenha recebido Youssef, disse que não o conhecia e que ficou sabendo do caso pela imprensa

Veja também:
Foster usa campanha da Petrobras para beneficiar Dilma e é punida pelo TSE
‘Eu era herói, hoje sou bandido’, diz capitão do exército sobre período militar
Petrolão – que tem para vir é muito maior do que aquilo que já veio”
A escola de Lula do “NÃO SEI DE NADA” revela novos adeptos no MENSALÃO DA PETROBRAS

 

Deixe seu comentário!