Estado Islâmico nasceu do mesmo evento que criou o nazismo: a Primeira Guerra Mundial

1763
Tropas do Império Austro-Húngaro no Monte Sião, Jerusalém, em 1916, defendendo as posições do aliado Império Otomano. A região onde atualmente fica Israel e Palestina era domínio otomano e eles a subjugaram de 1520 até sua derrota na Primeira Guerra.

Quem conta os fatos que acarretaram no nascimento do maior grupo terrorista da história, que até agora nem mesmo o poderoso governo norte americano conseguiu deter, é o portal

Implicante:

A Primeira Guerra Mundial, chamada também de “Grande Guerra”, foi o conflito já dos tempos mais recentes que refez boa parte da geopolítica mundial, afetando sobremaneira os impérios europeus e também o Império Turco-Otomano, que combateu do lado derrotado.

Muitos se referem ao ISIS como decorrência da Al-Qaeda ou coisa do tipo. Não é errado, em termos mais pragmáticos, mas as demandas geopolíticas remontam à primeira grande guerra. Da mesma forma que ocorreu com os nazistas.

Veja também: Imagem de criança resgatada dos escombros da guerra síria comove o mundo

Por óbvio, os perdedores não saíram apenas como derrotados simbólicos. O Império Alemão e o Austro-Húngaro foram totalmente remodelados e essa nova formatação territorial, seguida dos pesados ônus decorrentes do conflito, permitiu o nascimento de ideologias que insuflavam o ultranacionalismo e o resgate de valores histórico-culturais locais. Como o nazismo.

E como o Estado Islâmico.

Quando da proclamação do califado, em 2014, o então Estado Islâmico do Iraque e do Levante emitiu a seguinte declaração: “A legalidade de todos os emirados, grupos, Estados e organizações torna-se nulo pela expansão da autoridade do califado e pela chegada de suas tropas em suas áreas“, em referência direta ao Acordo Sykes-Picot, que redefiniu as fronteiras e soberanias reconhecidas no Oriente Médio logo após a Primeira Grande Guerra.

Veja também: Nos EUA, seita Ku Klux Klan ressurge e com ela a guerra pela “supremacia branca”

Assim como Hitler e os nazistas, os líderes do ISIS querem um retorno ao estado das coisas de antes dessa guerra. Também como Hitler e os nazistas, eles defendem um nacionalismo exacerbado em cima de um ideal quase místico de território e nação, enaltecendo culturas ancestrais, tendo o ocidente moderno como inimigos, bem como os judeus como objeto quase central da representação desse ódio. E assim por diante.

Tais dados são bem sintomáticos, não mera curiosidade para conversas aleatórias.

E tem mais uma semelhança: assim como houve com o ISIS, Adolf Hitler e seu partido, antes de serem considerados vilões inequívocos por todo o planeta, também tratados como algo quase inofensivo ao mundo durante muitos anos. Deu no que deu. E está dando no que está dando.

Veja também: Grupo de hackers Anonymous declararam guerra ao Estado Islâmico

Às vezes, é sim necessário combater o mal, e tal combate se dá pelo enfrentamento bélico, infelizmente. Esses dois exemplos são irrecorríveis. É muito bonito dizer que o diálogo é o caminho, supondo que do outro lado estejam pessoas querendo ler poesia e meramente discutir posições ideológicas. Mas a vida real não é assim, e genocidas não podem ser combatidos com protocolos diplomáticos.

Veja também: Em vídeo raro, general Figueiredo afirma que será necessário uma guerra civil para livrar o Brasil do comunismo

Deixe seu comentário!