Presidente da CUT, que ameaçou colocar militância ‘armada’ nas ruas, é conselheiro do BNDES

12932

Pois é, o presidente da Central Única dos Trabalhadores, além de militante assíduo do PT, é, sabe-se lá porque, um dos conselheiros do BNDES. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, que é usado pelo governo PT, desde Lula, para financiar ditaduras.

Veja abaixo a lista dos conselheiros da administração do BNDES, divulgadas pelo portal do BNDES na internet

Atualmente, compõem o Conselho de Administração do BNDES:  

  • Ivan João Guimarães Ramalho (presidente)
  • Luciano Galvão Coutinho (vice-presidente)
  • José Aldo Rebelo Figueiredo (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior)
  • José Eduardo Martins Cardozo (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior)
  • Nelson Henrique Barbosa Filho (Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão)
  • Vagner Freitas de Moraes, presidente da CUT (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior)
  • Joaquim Vieira Ferreira Levy (Ministério da Fazenda)
  • José Constantino de Bastos Junior (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior)
  • William George Lopes Saab (representante dos empregados titular) e Carlos Alberto de Souza (suplente)
  • vago (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior)
  • Mauro Luiz Iecker Vieira (Ministério das Relações Exteriores)
  • vago (Ministério do Trabalho)

Agora veja o que fala, ainda o portal do BNDES, sobre os critérios de escolha dos conselheiros:

O Conselho de Administração do BNDES é formado por:

I –  dez membros nomeados pelo Presidente da República, com mandato de três anos, dentre eles o Presidente do Conselho, sendo quatro indicados, respectivamente, pelos Ministros de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão; do Trabalho e Emprego; da Fazenda; e das Relações Exteriores, e os demais indicados pelo Ministro de Estado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior;

II – um representante dos empregados do BNDES, em conjunto com um suplente, que o substituirá nos casos de ausência, impedimento e vacância, escolhidos dentre os empregados ativos, pelo voto direto de seus pares, com mandato de 3 anos, sendo permitida uma  reeleição, na forma da legislação aplicável; e

III – o Presidente do BNDES, que exercerá a Vice-Presidência do Conselho.

Pois é, indicação política para decidir sobre os bilhões e mais bilhões do suado dinheiro dos brasileiros. Precisa falar mais alguma coisa?

Deixe seu comentário!