O grito silencioso. O vídeo que fez o maior médico abortista do mundo a lutar contra o aborto

0
32379

O filme “O Grito Silencioso”, com pouco mais de 28 minutos, foi produzido em 1985 pelo Dr. Bernard N. Nathanson, médico americano que chegou a ser conhecido pela como “Rei do Aborto”, tendo, segundo ele mesmo, feito pessoalmente mais de 5 mil abortos.

Dr Bernard foi um dos maiores defensores da legalização do aborto nos Estados Unidos. 

Ele ajudou a criar a Liga Nacional de Ação pelo Direito ao Aborto (NARAL). E, na iminência da aprovação da lei, fundou o Centro de Saúde Reprodutiva e Sexual em Nova York, onde coordenava a equipe e ele mesmo realizava os abortos. Esta clínica era a maior de NY e a mais ativa. Em seguida, criou o departamento de Fetologia no Hospital São Lucas, onde foi nomeado diretor do serviço de obstetrícia

O filme “O Grito Silencioso” retrata de maneira inequívoca o que o Dr. Bernard Nathanson enxergou no útero de sua paciente que o fez mudar radicalmente.

Campanha abortista com atores da Globo tem segundo maior índice de reprovação da história do Youtube

O médico defendia incisivamente o aborto, realizava milhares de procedimentos para retirar os fetos da barriga de mulheres que decidiam não dar a luz, Até que surgiu a ultrassonografia, que mudou radicalmente a concepção de um dos maiores médicos abortistas do mundo. O aparelho de ultrassom foi a peça decisiva na mudança de vida do médico que, de maior abortista americano, passou a ativista pró-vida.

Assista ao vídeo abaixo, produzido pelo rei do aborto, responsável por mais de 5 mil abortos nos Estados Unidos. 

Vídeo do canal Padre Paulo Ricardo.

#COMPARTILHE PARA QUE MAIS PESSOAS ENTENDAM PORQUE UM DOS MAIORES ABORTISTAS DO MUNDO MUDOU RADICALMENTE DE OPINIÃO, SE TORNANDO UM DOS ÍCONES PRÓ-VIDA, LUTANDO ATÉ O ULTIMO DIA DE SUA VIDA PARA CONSCIENTIZAR O MUNDO PARA OS MALES DIABÓLICOS DO ABORTO. 

Dr. Bernard N. Nathanson morreu em 2011 de câncer, aos 84 anos de idade.

Jean Willys protocola projeto que autoriza mulher a abortar e obriga o SUS a custear o procedimento

Deixe seu comentário!