Ministra dos “direitos dos manos” quer fim dos autos de resistência. Intenção é enfatizar violência policial

0
5941

Para a ministra da Secretaria de Direitos Humanos, lesões ou mortes classificadas dessa maneira deveriam ser rebatizadas para “lesão corporal/homicídio decorrente de intervenção policial”, explicitando assim a violência policial no País

A ministra Maria do Rosário, chefe da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, defende uma nova nomenclatura para os “autos de resistência” ou “resistência seguida de morte” – termos usados por policiais para classificar mortes causadas por eles próprios. O objetivo da ministra é explicitar a violência policial no País. Leia abaixo:

Um basta na violência

Não parece casual que dois dos três policiais envolvidos no caso Cláudia sejam responsáveis por dezenas de “autos de resistência”

A violência ceifou a vida de Cláudia Silva Ferreira, uma mulher negra que trabalhava como faxineira, tinha quatro filhos e cuidava de quatro sobrinhos. Ela buscava pão quando as cenas corriqueiras da comunidade foram interrompidas por uma também conhecida ação: a troca de tiros entre a polícia e o crime.

Cláudia foi baleada e depositada no porta-malas de uma viatura policial, posteriormente sendo arrastada por 250 metros em uma avenida. O horror desses momentos e o tratamento perverso que recebeu da força policial fazem com que a violação de seus direitos represente a falência de práticas que permeiam as instituições do Estado ao desrespeitarem flagrantemente a legalidade.

Apesar dos ataques que os defensores de direitos humanos sofrem, são precisamente de mais direitos humanos que necessitamos para darmos um basta a situações perversas como as que atingiram Cláudia, Amarildo e tantos outros, inclusive policiais. Não esqueçamos que no mesmo Rio de Janeiro onde Cláudia morava 21 policiais foram mortos em serviço entre 2012 e 2013. Eles também tinham nomes, famílias e filhos.

O governo federal e os Estados estão desafiados a fortalecerem a cooperação para formação adequada das forças de segurança. Não interessa restringirmos o debate ao conflito ente policiais e bandidos. O que uma sociedade civilizada pede é uma discussão sobre a elevação da qualidade da segurança pública. Precisamos aprimorar experiências de pacificação como as UPPs, mesmo com suas contradições.

Com o objetivo de orientar essa parceria, o Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana, que completou meio século de existência, recomendou o fim do uso dos termos “autos de resistência” e “resistência seguida de morte” nos registros policiais. Sobre casos assim registrados não há investigação, uma vez que se pressupõe que a morte foi resultado da legítima defesa do agente de segurança.

Entre janeiro de 2010 e junho 2012, em apenas quatro Estados, cerca de 3.000 pessoas foram mortas após intervenção policial, em sua maioria contabilizadas como “autos de resistência”. Não parece casual que, segundo a imprensa, dois dos três policiais envolvidos no caso Cláudia sejam responsáveis por dezenas de “autos de resistência”.

A sugestão é que esses termos sejam substituídos por “lesão corporal/homicídio decorrente de intervenção policial”. Com a alteração, os fatos deverão ser noticiados à Delegacia de Crimes Contra a Pessoa e a perícia técnica passa a ser obrigatória antes que o corpo seja removido. A medida enfrenta a violência policial e resgata o bom trabalho dos policiais, pois toda a vez que separamos a má atitude de um profissional, estamos valorizando a boa atitude dos demais. Algumas unidades federativas já aderiram às recomendações e reduziram o índice de homicídios, inclusive de policiais.

Para quem ainda insiste em reduzir a discussão sobre direitos humanos, esclarecemos: a defesa da vida é o que nos norteia. Não temos compromisso com assassinatos, tortura, sequestro, legados infelizes da ditadura. Essas práticas persistem porque a cultura autoritária ainda não foi superada. Será superada quando a população compreender que não deve prevalecer a Lei de Talião nem os justiçamentos, mas sim os direitos humanos para todas as Cláudias, para todos os Amarildos e para todos os seres humanos.

Opinião

Ao que se pode observar a ministra quer inibir e levar um certo temor aos agentes policiais para pensarem duas vezes antes de agirem, usando casos isolados e generalizando o excesso e corrupção de uma classe já tão decadente de apoio e criminalizada como é a polícia. Na prática, se um policial tentar prender um traficante, por exemplo, e ele resistir o que o policial deve fazer? Para não acabar com sua carreira e não manchar mais a imagem da corporação como truculenta e violenta (como quer enfatizar esta ministra) o policial provavelmente vai deixar o bandido ir embora. Em uma ação de roubo a uma lotéria em que o policial estiver a paisana, certamente ele pensará duas vezes antes de agir, pois se ele der voz de prisão e o bandido não se render, mesmo estando armado, se o policial atirar para cessar o perigo atual promovido pelo assaltante ele também irá para as estatísticas da truculência e violência policial. Fica a pergunta. Por que esses direitos humanos tentam reprimir ações contra vagabundos. Por que não cuidam de quem realmente precisa. E as famílias de policiais mortos por bandidos? Não se vê uma noticia desse Ministério atuando para minimizar a dor da perda de heróis combatendo a favor da sociedade. E o heroi que teve grande parte do corpo queimado no início do ano tentando salvar uma garotinha de um ônibus que foi incendiado por bandidos. Será que essa senhora Maria do Rosário está atenta às demandas dele e de sua família? Será que o apoio está sendo dado?

Veja outros casos absurdos de leis que apoiam a bandidagem:
Proposta de Jean Wyllys que legaliza a maconha também prevê extinção da pena para traficantes
Senadora apresenta projeto que torna pessoas que praticam furto em vítimas da mídia publicitária
Deputado quer criar cadeia cinco estrelas e dia em homenagem ao encarcerado
Policiais agem, prendem assaltante, recuperam o dinheiro roubado e são presos

O Brasil é ou não é o melhor país do mundo pra bandidos morarem e empreenderem seus crimes?

Revolta Brasil (Com Brasil 247 conteúdo)

Deixe seu comentário!