Vários sindicatos entram na justiça para tirar quadros de presidentes da ditadura do Palácio do Planalto. “Distorce a memória nacional”

289

Uma ação civil pública movida pelo Sindicato dos Arquitetos e Urbanistas do Paraná, pelo Sindicato dos Servidores do Magistério Municipal de Curitiba e o Centro Acadêmico Hugo Simas, representante dos estudantes de Direito da Universidade Federal do Paraná, solicita que o Tribunal de Justiça Federal do Paraná emita uma ordem para que fotografias dos militares que governaram o Brasil no período da ditadura sejam retiradas da galeria de presidentes, no Palácio do Planalto, em Brasília.

“Na presente ação civil pública se pretende demonstrar que a presença dos retratos destacados distorce a história. Distorce a memória nacional. Nos faz crer que os militares ocuparam legitimamente o cargo de Presidente. Isso gera uma distorção da memória nacional, ofende a dignidade de grupos que foram perseguidos durante a ditadura e, especialmente, representa uma cicatriz na história recente do país”, diz trecho.

De acordo com o advogado do grupo, Ramon Prestes, o objetivo da ação é uma busca pelo direito à memória.

Fonte: O Globo e Poder 360.

 

VEJA TAMBÉM:

 

 

Quatro idosos contraíram infecção de vacina e enfermeira disse que “não tinha tempo de lavar as mãos”

Adolescente de 14 anos mata vizinha de 13, apenas porquê “deu vontade”

Professora é agredida por aluno de 15 anos após ele ser expulso da sala

Rapaz é abusado sexualmente por motorista e ainda escuta do criminoso: Parabéns, você salvou uma mulher”

Deixe seu comentário!